Translate

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

A Descoberta parte 3

Continuando...


   - Nossa!- Foi a primeira reação que tive ao entrar no Pavilhão.
  Lá, exatamente como no livro, tinham várias mesas, cada uma para um deus grego. Existia, também, um fogueira que queimava de acordo com os sentimentos dos campistas. Naquela noite, ela queimava vermelha viva.
   - Em qual mesa eu sento?- Perguntei, virando-me para o Percy.
   Ele franziu os lábios como se eu tivesse acabado de fazer um xeque-mate nele em uma partida de xadrez.
   Ele abriu a boca, depois fechou. Fez isso três vezes, como um peixe.
   - Você ainda não foi reclamada.- Ele disse por fim, como se isso explicasse tudo.
   Bufei.
   - Então é o que? Eu sento no chão?!- Despejei, sarcástica até os ossos.
   - Boa ideia!- Percy disse no mesmo tom. Então mudou para o que era antes, o que, sem ofensas,  também não era muito melhor.- Você vai sentar na mesa principal com Quíron e o sr.D. Boa sorte com isso!
   Então me deixou sozinha.
   Segurei a indignação e caminhei até a mesa principal.
   Quíron não era o que eu imaginava,  era mais alto e mais, como digo?, hum, digamos que seu porte físico era melhor.
   - Olá?- O tom dele era de pergunta, o que achei, era um "quem é você e o que está fazendo aqui?" educado.
   - Camila- Falei sorrindo amarelo e estendendo a mão espalmada para ele.- , só me mandaram me sentar aqui com o senhor.
   Ele apertou a minha mão.
   - Imagino que seja a nossa "garota especial"- Ele sorriu.- Fico feliz por ter se curado e saído da enfermaria.
   - Obrigada, mas não sei nada sobre isso de "garota especial".- Falei. Ele já tinha largado a minha mão.- Mas sei que isso é MUITO legal, e, pelo que eu li, eu não tinha que ter sido trazida para cá aos 13?
   - De preferencia.- Ele concordou.- Mas, por algum motivo, os deuses não deram nem sinal de sua existência.
   - Nossa!- Debochei.- Agora mesmo que estou me sentindo muito "especial", obrigada!
   Ele balançou o rabo nervosamente.
   - É melhor sentarmos para comermos.- ele anunciou.
   Até então eu não tinha percebido o quanto estava faminta. S eu realmente passei cinco dias desacordada, precisava repor as energias. Quando Quíron mencionou comida, meu estômago não recusou.
   O sr.D, estranhamente, não estava presente, como Percy sugeriu que estaria. Mas dei uma folga ao garoto.
   Vira e mexe eu dava uma olhada para cima, esperando ser reclamada. Até agora, nada.
   - Paciência, querida.- Disse Quíron, vendo uma de minhas espiadas para o céu.- Os deuses, às vezes, demoram quando o assunto são meros semideuses.
   - Sério, Quíron- Falei.- , você sabe mesmo como me fazer sentir-me muito melhor.- Debochei de novo.
   Ele franziu os lábios, arrependido.
   - Esquece!- Eu disse por fim.- Com certeza, na hora da fogueira, eu devo ser reclamada.
   Me retirei.
   Mesmo sabendo que era perigoso, quis e fui dar uma volta no bosque. Não cheguei lá, Annabeth me parou.
   - Nem pense nisso!- Ela disse.- Você não tem nem uma arma ainda!
   - Então venha comigo.- Convidei.
   Como ela não era estúpida, ela recusou.
   - Temos que conversar, Camila.- Falou. Aqueles olhos cinzentos me encarando como se fizesse um furo na minha alma.- Sobre o que fez cinco dias atrás, lá na escola.
   Senti minha perna enfraquecendo, onde a seja-lá-o-que-for tinha me acertado.
   Meu joelho fraquejou, e eu teria caído se não fosse por Annabeth.
   Ela me segurou pelo braço e começou a gritar:
   - Preciso de um curandeiro de Apolo, agora!! Rápido! Aqui!!!
   Segurei seu braço em desespero e a encarei. Tinha a impressão de que estavam fazendo picadinho da minha perna com uma faca pouco afiada.
   Em segundos eu estava sendo levada por um cardume de filhos de Apolo, novamente, para a mesa principal, onde me deram Ambrosia e Néctar dos deuses, e também cantaram para mim, acho que era aquela coisa estranha de magia medicinal.
   Em pouco tempo eu estava melhor.
   Annabeth se aproximou.
   - Desculpe ter comentado aquilo.- Pediu.
   - Não precisa se desculpar.- Falei.- Nem eu sabia que eu reagiria tão mau.
   - Mesmo assim...- Ela disse, e vi o quanto ela se sentia culpada.
   Toquei seu ombro.
   - Annabeth, realmente, não precisa se desculpar.
   De repente todos arquejaram, com os olhos arregalados em mim.
   - Que? Que foi?!- Perguntei.
   Então percebi percebi que olhavam para um ponto acima de minha cabeça.
   Foi minha vez de arquejar.
   Olhei para cima bem devagar e, ali, vi. Estava quase desaparecendo, mas deu para captar a imagem de duas tochas cruzadas brilhando.
   Todos se ajoelharam.
   Quíron anunciou:
   - Ave, Camila Soares, filha de Hécate, dona das encruzilhadas, deusa da magia.


                                                                                                                                                 Continua...





#FilhadaDite

Nenhum comentário:

Postar um comentário